segunda-feira, 29 de maio de 2017

Treinar em casa | Os meus canais de YouTube preferidos

Não poder ir ao ginásio não é desculpa para não se fazer exercício. Há mil maneiras de mexer o rabo: andar a pé, correr, dançar, subir e descer escadas, andar de bicicleta, enfim, não faltam opções. Uma das minhas preferidas é mesmo a de treinar em casa.

Hoje em dia, há uma variedade enorme de sites e de canais no YouTube que nos ajudam a fazer isso mesmo e vou deixar-vos aqui os meus 2 canais preferidos (é só clicarem no nome para serem redireccionados para a página):


  1. FitnessBlender: este canal é só assim maravilhoso. Porquê? Porque tem imensos vídeos e duma variedade enorme. Não têm equipamento em casa? Não faz mal, não faltam vídeos de sessões de treino só com peso corporal. Não vos apetece mexer muito? Escolham um dos imensos vídeos de Pilates. Não têm muito tempo? Alguns dos vídeos deles não duram nem 20 minutos. Estão cheios de força e de energia? Então escolham um dos vídeos mais avançados e de mais longa duração. O que não falta aqui é escolha! Há vídeos de treino para todos os gostos e para todos os níveis, desde os mais puxados aos mais simples. Além disso, costumam ter opções de baixo impacto para grande parte dos exercícios, por isso, não há desculpas. Outra coisa que gosto muito neste canal é que parecem-me pessoas bastante sensatas e que percebem realmente do assunto e isso, para mim, faz toda a diferença.
  2. Christine Salus: ok, este já é um bocadinho diferente. Em primeiro lugar, grande parte dos vídeos envolve equipamento e isso já cabe a cada um decidir se investir nesse tipo de coisas é, ou não, uma boa coisa a fazer. Para mim, é e faço questão de ter o meu mini-ginásio em casa (aqui em Inglaterra ainda está em construção, mas já tenho o básico essencial). Em segundo lugar, este canal tem vídeos que não aconselho a quem esteja em má forma física ou a quem esteja a começar agora a treinar, porque são bem mais puxados e já exigem alguma força e alguma resistência. Para mim, o ponto negativo é que os vídeos da Christine não têm aquecimento nem alongamentos, pelo que têm de o fazer sozinhos (no FitnessBlender têm aquecimento e alongamentos na maioria dos vídeos). O ponto positivo é que realmente se trabalha - e muito. 
E vocês, costumam treinar em casa? Algum canal ou site que aconselhem?

domingo, 28 de maio de 2017

sábado, 27 de maio de 2017

Life in the UK | A saga das carpetes

Eu só me mudei para Inglaterra recentemente. Segunda-feira, para ser mais precisa. Mas o meu namorado já cá estava desde o fim de Setembro, pelo que já cá tínhamos vindo procurar casa há bastante tempo.

Procurar casa foi toda uma odisseia, digna duma adaptação cinematográfica. Viemos no fim de Agosto, no meio duma onda de calor (o que não deixou de ser irónico, quando toda a gente nos dizia que nos íamos mudar para o mau tempo) e tínhamos dois dias para encontrar casa. Sim, leram bem: dois dias. Como de costume, o meu namorado limitou-se a stressar por causa de tudo e mais um par de botas e coube-me a mim controlar os nervos (os meus e os dele) e escolher a casa. Fazer quilómetros a pé, à procura de casa, debaixo dum sol escaldante e a escorrer suor é só assim maravilhoso, deixem que vos diga. "Então vocês vêm de Portugal e não aguentam o calor?". Pois, gente, em Portugal temos praia e esplanadas e não nos metemos a fazer a maratona debaixo dum sol ardente para procurar um apartamento. Mas adiante.

Vimos de tudo um pouco: casas maiores, mais pequenas, vimos uma família que vivia no chão (literalmente, não havia um único móvel naquela casa), vimos casas mais longe e mais perto e acabámos por ter sorte e desencantar um T2 que fica a 2 minutos a pé do trabalho do meu namorado, a 5 minutos a pé da estação de comboio e a menos de 10 minutos a pé do supermercado (e do ginásio onde me vou inscrever). Perfeito, portanto. 

Pois, só que não.

Qual é o defeito desta casa? Desta e de todas as outras que vimos? Tem carpete. Sim, leram bem: carpete. Aquele flagelo que foi erradicado de 99% dos lares portugueses e que está em vias de extinção desde há coisa de 20 anos (felizmente!). Tenho para mim que as carpetes estão para os ingleses como as baguetes para os franceses. Eles gostam mesmo desta porcaria, a ponto de a senhora que nos veio mostrar a casa considerar que o facto de não termos carpete pela casa toda ("só" na sala e nos quartos) era um ponto negativo. Ainda me lembro de a ouvir dizer "porque temos outro apartamento no mesmo prédio que tem carpete pela casa toda e é uma carpete alta e fofinha". Alta e fofinha? Para quê? Para ser ainda mais difícil de limpar? Apeteceu-me perguntar-lhe se estava a planear vir aspirar-nos a casa várias vezes por semana, mas consegui conter-me.

As carpetes têm de ser a cena menos higiénica da vida. Passamos a vida a aspirar e temos sempre a impressão de que não está suficientemente limpo. Só consigo imaginar as famílias de ácaros, confortavelmente instaladas, a jogar à sueca por baixo dos meus pés. Posto isto e já ando embrenhada numa pesquisa sobre os melhores aspiradores do mercado e já chegámos a acordo sobre o que vamos comprar. Vai-nos custar uma pequena fortuna, mas vai ter de ser. Aspiradores e produtos anti-ácaros, que além de me meterem um nojo tremendo, sou alérgica.

Posto isto, só tenho uma pergunta: em que buraco tinham os ingleses enfiado a cabeça quando o mundo inteiro acordou para a vida e decidiu livrar-se das carpetes?

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Product Review | Paleta Natural Love, Too Faced

Pois é, há algum tempo falei-vos aqui do lançamento da colecção Natural Love, da Too Faced, que vinha com uns iluminadores lindos e uma paleta de sombras de fazer babar. Como boa amante de maquilhagem que sou, assim que me deparei com a paleta de sombras à minha frente, tive de a trazer comigo.

Sou uma fã assumida das paletas da Urban Decay (e continuo, são só maravilhosas), mas esta paleta já ganhou um lugar no meu coração (tenho um coração muito grande, há espaço para tudo). É um bocadinho cara, mas as cores são lindas, super pigmentadas e são muito fáceis de aplicar e de trabalhar. Acho-as um bocadinho mais fáceis de trabalhar que as da Urban Decay, mas as da Urban Decay são à prova de tudo e duram tempos infinitos sem necessidade de retocar, enquanto que as da Too Faced não duram taaaanto tempo - aguentam bem um dia de trabalho mas, se calhar, à noite já vão precisar dum retoquezinho.

Mais alguém já experimentou a Too Faced? E a Urban Decay? Há por aí mais fãs?



terça-feira, 23 de maio de 2017

Adeus, França

Finalmente, chegou o dia de dizer adeus a França e a Troyes, cidade que me acolhia desde Abril de 2014. Hei-de voltar, certamente. Mas já não viverei em Troyes, esse capítulo da minha vida chegou ao fim.

Ontem despedi-me do apartamento ao qual chamei casa durante 3 anos, despedi-me do trabalho, despedi-me das ruas a que estava tão habituada, do ginásio extremamente mal ventilado, dos paninis e das tartes de limão no café do outro lado da rua, das pizzas do Giusepino, da vista da minha janela, dos passeios escorregadios no inverno. Foi o fim duma era, mas vai ser o início doutra, igualmente emocionante. Ou até mais emocionante ainda, porque agora vai ser a dois (me-do).

Mais do que deixar um lugar, deixei um pedaço de mim, uma parte da minha vida. Quanto às pessoas que por lá ficaram, essas não as deixei. Encontrei por lá muita gente que me marcou e de quem me vou recordar sempre com muito carinho. E é, sobretudo, por essas pessoas que espero poder lá voltar.

Peço desculpa pela pouca actividade no blog, mas mudar de país, como podem imaginar, é todo um acontecimento. Cheguei ontem à noite a Inglaterra e ainda estou extremamente cansada, as emoções ainda estão ao rubro e as palavras ainda falham.


A janela de cima deste prédio verde era a janela da minha sala <3 td="">


domingo, 21 de maio de 2017

quarta-feira, 17 de maio de 2017

A vida no meio de caixotes

Algures nos próximos 2 a 3 dias, devo ficar sem internet em casa. Sendo assim, não queria que esse dia chegasse sem que eu tivesse vindo aqui dar-vos um update

Já comecei a encaixotar as minhas coisas. É engraçado porque, de cada vez que passo por este processo, tenho a impressão de estar a encaixotar a minha vida. Se algum dia precisarem de dicas sobre mudanças, estejam à vontade, já me começo a considerar uma especialista. Claro que continua a ser estupidamente stressante, especialmente desta vez, que estou a fazer tudo sozinha (os reforços chegam no fim-de-semana) mas, pelo menos, é algo a que já estou habituada, pelo que não custa tanto.

Posto isto e posto que ainda estou a trabalhar, o tempo anda escasso. O blog vai ficar assim em modos de auto-piloto, mas prometo que assim que esteja em Inglaterra e que a coisa esteja mais calma, eu volto. Ao meu blog e aos vossos.