segunda-feira, 14 de janeiro de 2019

A alegria das coisas simples

Com o início do novo ano é impossível não passar em revista o ano que acabou. Eu, pelo menos, sou assim.

Dei por mim a lembrar-me de todos os momentos mais marcantes do ano passado e a fazer uma lista mental de quais me tinham feito mais feliz. Obviamente, em primeiro lugar estava o nascimento da minha bebé, mas e em segundo? Mudar de casa? O fim da minha luta com as burocracias neste país? Casar? Nova Iorque? Curiosamente, não foi nenhum destes grandes momentos que me veio à ideia. Foi, antes, um dia, igual a tantos outros, em que estava eu grávida e a trabalhar e mandei uma mensagem ao homem a dizer "Apetece-me um chocolate quente, vou ao Costa tomar um quando sair.". Para minha surpresa, ele respondeu a dizer que ia sair mais cedo para me fazer companhia. De notar que ele não bebe chocolate quente e NUNCA sai mais cedo.

Quando saí do trabalho, lá estava ele à minha espera. Fomos a pé até ao Costa, eu tomei o meu chocolate quente, voltámos a pé para casa e, pelo caminho, tivemos direito a um pôr do sol lindo, com céu azul e cor-de-rosa. 

Foi um fim de tarde tão simples, tão tranquilo e, ao que parece, ficou-me gravado na memória como um dos momentos mais felizes de 2018. E dei por mim a concluir: é esta a minha resolução para 2019, ter mais momentos destes e, principalmente, ter a capacidade de os apreciar, Porque não é preciso muito para sermos felizes e nos sentirmos realizados. Claro que é bom ter grandes acontecimentos pelo meio, fazer viagens, enfim, tudo aquilo a que se tem direito, mas também é bom conseguir encontrar felicidade nestas pequenas coisas,

E vocês, se tivessem de eleger "o momento" de 2018, qual seria?

Digam lá se não foi bonito!

terça-feira, 8 de janeiro de 2019

2018 em fotos

Eu sei, eu sei que este post vem atrasado, mas tenho um bebé em casa, por isso tenham lá paciência comigo, está bem? Estive quase para nem o escrever, mas 2018 foi tão bom que era uma pena. Ora então, cá vai, um (muito) pequeno resumo fotográfico do meu ano de 2018. 



Começámos o ano novo em Londres.

Podia ter sido muito bonito, não estivesse um frio dos diabos

Pouco depois fomos a Portugal matar saudades da família e dos amigos (e do sol)

Fui pela primeira vez a um Cat Café em Manchester

Mudámos para a vila mais fofi-fofi

E tivemos um inverno cheio de neve

Foi só mesmo para a foto, eu odeio neve.

E cá estava a maior novidade do ano


Começaram os preparativos

As nossas férias na Sardenha


E, como não podia deixar de ser, as férias em Portugal



Ainda houve tempo para casar e para festejar 7 anos juntos


O pipo sempre a crescer

Nova Iorque, a viagem duma vida


30 anos!

Passeios por Inglaterra também não faltaram. Esta fotografia foi tirada em Bristol

A barriga a esconder-me os pés. 

E, num instante, já era Natal...


… e nós recebemos a melhor prenda de sempre!

E que venha daí esse 2019!










segunda-feira, 31 de dezembro de 2018

Resumo de 2018 - e feliz 2019!

2018 foi um ano bom. 

Comecei a trabalhar no meu emprego novo, no meu novo país, depois duma loooonga batalha burocrática. Mudámos de casa. Casámos. Fomos à Sardenha. Fiz 30 anos. Festejei os meus 30 anos em Nova Iorque, a cidade onde sonhava ir desde há anos, e que foi a viagem duma vida. Mas, o maior acontecimento de todos foi, sem dúvida, a chegada da minha primeira filha.

Vou entrar no novo ano sem grandes resoluções. Só quero mesmo viver um dia de cada vez e aproveitar ao máximo esta nova etapa. 

Posto isto, resta-me desejar-vos um excelente ano novo! Espero que 2019 vos traga montes de coisas boas (= E espero, também, que se mantenham por aí para acompanhar tudo o que aí vem de novo!

quarta-feira, 26 de dezembro de 2018

13.12.2018

Tinha planeado trabalhar até 14 de Dezembro. O nascimento da minha filha estava previsto para 2 de Janeiro, nada fazia prever que ela saísse antes da hora - pelo contrário - e eu achava que ia ter estas semanas para acabar as compras de Natal, vir aqui ao blog e fazer tudo tranquilamente até ela chegar. Mas, se há coisa que esta criança já me mostrou é que tem muita vontade própria. Assim sendo, no dia 12, quarta-feira, estava aqui a santa em casa, sossegada da vida, a gozar a folga e sem mexer uma palha pela primeira vez nesta gravidez, quando me rebentaram as águas. Liguei para o hospital, disse ao homem para vir para casa e lá fomos nós, rumo à maior aventura das nossas vidas. Daí para a frente foi tudo demasiado rápido e a minha memória não foi capaz de registar todos os detalhes. Sei dizer-vos que quando me deram ouvidos e se aperceberam que, de facto, estava tudo a andar bem depressa, já era demasiado tarde para a minha epidural e tive mesmo de aguentar sem nada. Mas, felizmente, não demorou imenso. Às 3.53 da manhã de dia 13 a minha pequena estava em cima de mim, de olhos arregalados, minúscula e toda para mim. E para o pai, vá, que foi um valente e me ajudou a aguentar até ao fim.

Não consegui vir aqui desejar-vos bom Natal, nem dizer-vos nada de nada, mas cá está a novidade.

Foram 37 semanas de gravidez e 6 horas e 20 minutos de trabalho de parto (segundo o que estava escrito no meu dossier) para trazer ao mundo 2.9 kg de gente por quem já nos apaixonámos. 

Obrigada a quem esteve desse lado e espero que continuem por aí!


A nossa Leonor


quarta-feira, 5 de dezembro de 2018

Ho ho ho!

Chegou Dezembro, está quase a chegar o Natal e chegou, também, a recta final desta gravidez. Estou quase - quase! - a chegar ao fim disto e a poder conhecer a minha bebé mas, antes disso, ainda há toda uma época natalícia pela frente. 

Já há algum tempo que comecei a fazer as compras de Natal, já tenho cá em casa alguns presentes, mas tenho para mim que os restantes vão ser encomendados online, que a capacidade para andar nas compras (e a carregar sacos) já não é a mesma. Já agora, se tiverem sugestões de prendas para os mais variados membros da família, façam o favor de partilhar, que eu preciso de ideias.

Ainda na onda natalícia, também já despachei o pinheiro. Tenho plena consciência de que este ano enfeitei o pinheiro para lá de cedo mas, mais uma vez, foi tudo uma questão de aproveitar enquanto ainda consigo fazer tudo de forma relativamente normal. Estou a entrar naquela fase em que me sinto a ficar muito pesada, tenho de me mexer mais devagar e tudo é mais difícil e cansa mais. Mas cá me vou aguentando. Esta semana cheguei às 36 semanas e comecei a trabalhar menos horas e no final da próxima semana vou ficar de licença de maternidade. Confesso que já estava mesmo a precisar de abrandar um bocadinho o ritmo. Tenho chegado ao fim do dia de trabalho cheia de dores de costas, que fizeram com que, pela primeira vez em muitos anos, tenha deixado de vir a pé do trabalho para casa. E sim, eu sei que faz muito bem andar a pé durante a gravidez, mas não estava mesmo a aguentar. Na sexta-feira cheguei a casa e apetecia-me chorar de tanto que me doíam as costas, portanto, vou andar a pé, sim, mas não depois de atender pacientes um dia inteiro. 

Mas bem, já estou a divagar, só queria mesmo desejar-vos um excelente mês de Dezembro. Aproveitem bem tudo o que esta época tem de bom, as luzes, a animação que anda no ar, os enfeites de Natal por todo o lado, a comida boa e as canecas de chocolate quente, as lareiras acesas e as mantas quentinhas. E, já agora, digam-me: qual é a coisa de que mais gostam nesta época?

domingo, 18 de novembro de 2018

Viajar grávida

Desde que engravidei, fomos a Portugal 4 vezes, fomos à Sardenha e fomos a Nova Iorque. Por cada vez que ia entrar num avião, lá vinham meia dúzia de alminhas com o "mas não tens medo?" e eu pensava "medo de quê?". No primeiro e no segundo trimestre, sinceramente, não me fazia confusão nenhuma a ideia de viajar. E, quanto ao terceiro, obviamente fiz as coisas com consciência. 

Tenho sido acompanhada por profissionais de saúde desde o início. Aqui no UK as coisas são ligeiramente diferentes: como a minha gravidez é de baixo risco e, até agora, não houve complicação absolutamente nenhuma, estou a ser acompanhada por midwives e não por médicos. Pessoalmente, não tenho nada que dizer. Senti, no início, que estavam a facilitar um bocado, talvez por causa de eu também trabalhar na área da saúde, mas a verdade é que se eu tivesse alguma dúvida nunca saía das consultas sem resposta. 

Decidi escrever este post porque acho que há muita gente que ainda faz da gravidez um bicho maior do que o que isto é realmente. Claro que há casos e casos, há gravidezes muito complicadas e sei que, por muito que não esteja a adorar esta fase, tive imensa sorte. Não houve um valor dumas análises que não tenha sido normal, não engordei mais que o estritamente necessário (embora já seja o suficiente para me sentir enorme), não tive de deixar de trabalhar (ainda), enfim, não me posso queixar. 

Vou partilhar convosco o que aprendi nestes meses sobre viajar grávida porque pode ser que ajude alguém que esteja a pensar fazê-lo:

  1. A maioria das companhias aéreas vai deixar-vos entrar no avião até às 34-36 semanas. No entanto, a partir das 28, têm de ter o que eles chamam um "fit to fly certificate", que é um certificado passado pelo médico (no meu caso, pela midwife) em que dizem que vocês estão aptas para viajar de avião. A minha midwife explicou-me que aqui não passam esse certificado a partir das 34 semanas, não sei como será noutras zonas. Fomos a Portugal no fim-de-semana passado, já eu estava quase a chegar às 33 semanas e, curiosamente, ninguém me pediu para ver nada, deixaram-me simplesmente entrar no avião e lá fui eu. No entanto, caso fosse preciso, eu tinha o certificado para mostrar.
  2. Roupa confortável. Isto é essencial para viajar em qualquer momento da vida, digo eu, mas acreditem que a última coisa que querem é roupa a apertar-vos onde não deve. 
  3. Meias de compressão: a gravidez aumenta o risco de trombose, independentemente de irem andar de avião ou não, mas andar de avião vai aumentar ainda mais esse risco. Provavelmente, vão aconselhar-vos a usar estas meias durante os voos. 
  4. Beber muita água, evitar refeições pesadas e levantarem-se para esticar as pernas a cada duas horas. Se bem que, para mim, isto é válido para todos os dias e não apenas para viagens de avião.
  5. Isto não é propriamente um conselho, é mais uma informação, para que ninguém fique muito chocado: a prioridade para grávidas é coisa que só existe em Portugal. Bem, se a memória não me falha, acho que em França também. Mas, aqui no Reino Unido e nos Estados Unidos, esqueçam lá isso. Ficam na fila como os outros e ninguém se vai levantar de onde quer que seja para vos deixar sentar. Pessoalmente, não me incomodou porque sinto-me bem, mas acho que para algumas pessoas pode ser coisa que lhes faça confusão. Sendo assim, estão avisados. No regresso de Portugal para Londres foi a única vez em que me deixaram embarcar antes dos outros passageiros. Acredito que existam mais países onde seja dada prioridade a grávidas, mas no UK e EUA não é o caso.
Pronto, e era isto. Se alguém tiver alguma coisa a acrescentar ou a corrigir, a caixa de comentários está aí para isso.

Bom domingo!


quinta-feira, 8 de novembro de 2018

Sofia em Viagem - Nova Iorque: West Village e o Prédio dos Friends

Não sabíamos se íamos ter tempo de visitar o prédio dos Friends e, bem vistas as coisas, não era uma prioridade mas, a ser bem sincera, ficámos os dois super felizes por termos tido tempo. Porque é uma série tão icónica e que, cá em casa, ambos adoramos e já vimos do início ao fim e foi muito bom podermos ver ao vivo o  prédio onde se passa 90% da série. Fiquem a saber, se são fãs da série, que o Central Perk não existe, mas o prédio lá está. Fica em West Village (para quem quiser a morada, é só procurar no Google), uma zona muito menos turística e mais residencial que eu, pessoalmente, adorei.

Já de regresso a casa, o homem fez questão de ver Friends para confirmar que tínhamos visto o prédio certo - e tínhamos. Óbvio que para quem não é fã da série isto não tem interesse nenhum, mas há tantas séries icónicas que se passam em Nova Iorque que não faltam coisas para ver dentro desse tema. A mim, é esta que me aquece o coração e não há cá Sex and the City que lhe faça concorrência.





Cá está ele: o prédio do apartamento da Monica, do Chandler, do Joey e da Rachel