terça-feira, 2 de janeiro de 2018

Bring it on, 2018!

2017 foi um ano bom.
 
2018 ainda agora chegou e já tenho a certeza de que vai ser um ano cheio de desafios. Vou começar a trabalhar num país diferente, vou começar a conduzir no lado esquerdo da estrada e sentada do lado direito do carro, ando a planear várias viagens para este ano e vamos continuar a nossa vida a dois que, até ver, tem corrido bem. 

No fim de 2016, eu estava tão desanimada que nem consegui encontrar em mim motivação suficiente para fazer planos para o ano que estava a começar. No entanto, para este já fiz alguns. Nada de surreal, não prometi a mim mesma que vou dar a volta ao mundo de joelhos ou que vou chegar ao fim do ano a falar russo fluentemente, mas tenho alguns planos. Planos que envolvem viagens, a continuação de um estilo de vida saudável, algumas formações que tenho andado a adiar e, claro, mais viagens. 

Hoje é apenas o segundo dia do ano e posso dizer que 2018 já me está a pôr à prova. Para quem não sabe, se há acontecimento no ano que eu dispenso festejar é a passagem de ano. Acho que é uma noite na qual colocamos muita pressão: tem de ser espectacular, tem de ser inesquecível, têm de haver vestidos cheios de lantejoulas e infinitos copos de champanhe. Eu também já fui assim e acabava sempre a voltar para casa desiludida, porque era uma noite que nunca correspondia às expectativas, que estavam demasiado lá em cima. Entretanto, descobri que não há coisinha melhor que passar o ano no conforto do lar, em vez de na rua, onde está um frio dos diabos, com a lareira acesa (ou o aquecimento central, que é o que temos agora), com a família, ainda com direito a uns copinhos de champanhe (ou do que a malta mais gostar de beber), mas sem grandes espalhafatos. E era isto que eu tinha planeado para este ano, uma noite sossegada, a ver o fogo-de-artifício na televisão. Onde é que eu acabei? No centro de Londres, em plena Westminster Bridge, a tiritar de frio e a espreitar pelo meio das cabeças da multidão para conseguir ver o fogo-de-artifício no London Eye. Valeu pela experiência e foi muito bonito, sim senhora, mas nunca mais me apanham ali numa passagem de ano. Entretanto, hoje é dia 2 de Janeiro e já tive de ir ao hospital tirar sangue, para saber se tenho de tomar algum reforço de alguma vacina, incluindo da varicela (que eu nunca tive) e, acho eu, este é o último passo para me deixarem, finalmente, começar a exercer. Portanto, como podem ver, entrei em 2018 beeeeem fora da minha zona de conforto (ao relento, a gelar de frio e cheia de vontade de estar em casa) e no segundo dia do ano já fui ao hospital (se há lugar onde eu detesto ir, é ao hospital. Um grande bem haja a todas as pessoas que trabalham em hospitais, porque eu nunca seria capaz). 

Este ano promete, mas eu vou dar conta do recado, tenho a certeza. E ainda vou continuar bem feliz, como tenho sido até agora. Bom ano a todos, malta!

30 comentários:

  1. Que seja, acima de tudo, um ano de conquistas. Beijinhos*

    ResponderEliminar
  2. Respostas
    1. Esse é sempre o grande objectivo, ser feliz (=

      Eliminar
  3. Festejei sempre a passagem de ano em casa e, de facto, o conforto é outro. E não é por isso que nos divertimos menos, porque o importante é estarmos bem e com as nossas pessoas. Há coisa de 4 anos é que começamos, depois de jantar, a ir até aos Aliados ver os concertos e o fogo. Mas a confusão é tanta que, nestes dois últimos anos, fomos até Espinho, onde é tudo mais tranquilo.

    Espero que 2018 te traga momentos maravilhosos :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu sou a favor de passar o ano em casa hehe. Nunca fui a Espinho, aos Aliados cheguei a ir em alguns anos e até foi engraçado, mas estou a ficar velhota =p

      Eliminar
  4. Bom ano e que essa felicidade não acabe nunca! Eu sou como tu, também gosto de passagens de ano caseirinhas... Mas gostava de ver algumas uma vez na vida :P nomeadamente esse fogo-de-artifício que referes, parece incrível! E depois disso... Nunca mais xD

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A mim não me apanham mais a festejar o ano novo em Londres, isso é certo =p

      Eliminar
  5. Eu também não costumo fazer grande coisa na passagem de ano, passo a meia noite em casa e há cerca de 4 anos comecei a ir dar uma volta até qualquer lado depois com os amigos.
    O que importa é entrar no novo ano bem pertinho dos nossos :)
    Espero que 2018 te traga muita alegria e coisinhas boas, de certeza que será um ano em grande :) Um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vai ser um ano muito intenso, isso é certo. Mas eu aguento (; obrigada!

      Eliminar
  6. O bom de ser madeirense e ter casa no Funchal é que podemos festejar o ano novo com fogo de artifício em pijama e no quentinho (não que estivesse assim tanto frio lá). Por incrível que pareça eu não gosto de ir ao hospital como utente.
    Por onde anda a Sofia?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu fiz um estágio hospitalar, no último ano da faculdade, que me deixou traumatizada. Hospitais não, obrigada =p

      Eliminar
  7. Respostas
    1. Não vou agradecer, que dizem que dá azar (;

      Eliminar
  8. Vai ser um excelente ano ou assim o espero porque já está na altura de tudo dar certo não é? Chega de papéis e burocracias e passem uma cadeirinha e uma broquinha para a mão desta menina! ahahhah Beijinho *

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As burocracias ainda não chegaram ao fim, por incrível que possa parecer... mas hão-de chegar, espero eu!

      Eliminar
  9. Tens razão é ridículo toda a pressão eu colocamos numa só noite e os rótulos que temos que seguir na mesma.
    Espero que 2018 te supere, tudo de bom!!

    ResponderEliminar
  10. Espero que seja um ano fantástico e cheio de novas e boas experiências.

    ResponderEliminar
  11. És uma lutadora, não duvido que dês conta do recado =).
    (Mas caramba que tem sido um longo caminho "só" para conseguires trabalhar, não deve ser fácil uma pessoa não ter momentos de desespero em que acha que vai dar em maluca!)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há muitos momentos em que acho que vou ficar louca e outros em que acho que já estou louca, porque é desesperante! Mas enfim, há-de passar!

      Eliminar
  12. Vai ser um ano brutal, tenho a certeza querida!
    Beijinho, Ana Rita*
    BLOG: https://hannamargherita.blogspot.com/ || INSTAGRAM: @rititipi || FACEBOOK: https://www.facebook.com/margheritablog/

    ResponderEliminar
  13. Dás conta do recado sim senhora!
    Um 2018 feliz! Beijinhos

    ResponderEliminar
  14. De vez em quando ( mesmo com uma diferença de idades muito razoável) temos algo em comum.
    Também eu já liguei mais à passagem do Ano e essa de ir toda chique com os pézinhos apertados...e em vez de estar a dançar (sempre aquelas músicas) ter que estar sentadinha ....
    Prefiro o conforto do lar com tudo a que tenho direito ....e este Ano foi a 2 e foi muito Bom.
    Que seja um Bom Ano para todos Nós

    ResponderEliminar
  15. Concordo plenamente: Muita gente deposita demasiadas expectativas na noite de passagem de ano! Para além dos exageros nos outfits, adereços e álcool, acho que se tornou em mais uma época de consumismo. Vale tudo para uma noite inesquecível e há quem gaste o que tem e o que não tem só para passar umas horas em grande!

    Blogdiariodeumafamilianormal.blogspot.pt

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Credo, gastar dinheiro já me parece mesmo demasiado, nunca tinha pensado nesse aspecto! Mas tens razão...

      Eliminar