terça-feira, 5 de abril de 2016

Mais um "até já"

Estou de volta a Troyes, para mais uma temporada. 

As viagens de ida e volta a Portugal são cansativas, sobretudo, quando são estadias de poucos dias (como são quase sempre). São cansativas física e emocionalmente. Mas são o que me dá mais força para me aguentar aqui. Voltar para França já com o bilhete de ida para passado um ou dois meses dá-me todo um outro ânimo e a vida por cá fica mais fácil.

Desta vez, vir embora foi mais triste. Em Portugal, foi um fim-de-semana de festa, com a minha mãe e a minha avó a fazerem anos. Além delas, este mês ainda fazem anos uma das minhas irmãs, uma prima (a designer que renovou o blog), o meu pai e um avô. Sim, a minha família tem uma grande panca pelo mês de Abril, mas adiante. 

Este fim-de-semana soube-me a pouco. A muito, muito pouco. Hoje, custou-me mais do que o costume ver as pessoas a despedirem-se no aeroporto (acontecimento ao qual uma pessoa acaba por se habituar) e fui acometida pela dúvida. 99% do tempo, sinto que tomei a decisão acertada por sair de Portugal. Mas, no 1% que resta... lá vem o "E se?". Imagino que mais gente tenha estes momentos, em relação a várias coisas da vida. E, digam lá, não é do piorio? 

Continuo a ver Portugal como um buraco sem fundo. Toda a gente diz que não pode ficar pior - mas pode sempre ficar pior. Sobretudo, quando uma grande parte da camada jovem, formada ou não, continua a escolher emigrar. Quando os que ficam se resignam, não batem o pé. Baixam a cabeça e vivem o dia-a-dia com as migalhas que lhes são atiradas. Quando tanta coisa está mal e não se vê ninguém com capacidade para resolver os problemas, que são imensos. Até quando? 

Enfim, hoje tive a certeza (já tinha, mas foi renovada) de que gostava de voltar. Só não vejo maneira de isso poder acontecer.

35 comentários:

  1. Já eu, se fosse solteira, adorava aventurar-me e sair daqui! Força. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também não sou solteira e, acredita, isso só complica mais as coisas =P

      Eliminar
  2. Como te compreendo querida. Eu cada vez vejo mais distante a hipótese de algum dia voltar... Coragem! Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu vou ter que voltar um dia, nem que seja um dia muito distante... mas a possibilidade de que seja, realmente, um dia distante... bah =\

      Eliminar
  3. Compreendo a tua angústia e as dúvidas que surgem cada vez que visitas os teus, mas olha que isto aqui não está fácil. Coragem e um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu sei que não está fácil... se estivesse, eu ia já fazer as malas =P

      Eliminar
  4. É sempre complicado estar longe dos que mais gostamos. Vivo longe da minha familia materna e sei como é. Tens que te focar nas coisas boas em vez de nas menos boas, assim custa menos :)
    Kisses,
    Messy Hair, Don't Care

    ResponderEliminar
  5. Espero que hoje já consigas ver um cenário menos cinzento. Força =)!

    ResponderEliminar
  6. A esperança tem de prevalecer sempre!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Às vezes, é difícil. No caso de Portugal, acho impossível =P

      Eliminar
  7. Hás-de conseguir voltar. Realmente, o tempo vai passando e as coisas não parecem melhorar. Para a nossa geração, que gostava de começar uma vida, uma carreira, ter alguma estabilidade, não está nada fácil porque parece que cada vez há menos oportunidades. Mas há-de mudar, há-de melhorar. Temos de acreditar nisso.

    Força querida Sofia!

    Givaway no blogue

    nem mais nem menos | Facebook | Instagram

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sinceramente, eu não acredito. Pelo menos, não nos próximos anos... talvez na geração dos nossos filhos ou netos a coisa melhore, mas já não vai ser para nós

      Eliminar
  8. Coragem, querida! Melhores dias virão

    ResponderEliminar
  9. Eu, optimista por natureza, acredito, acredito muito.
    Acredito que um dia o poder que a educação nos deu vai servir para algo, acredito que vamos poder fazer mais e melhor.
    Beijinho e força!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha, quero muito que tenhas razão (; muito mesmo!

      Eliminar
  10. Um dia hás-de voltar :) até lá há coisas que vao diminuindo a saudade de casa.Eu por exemplo que sou emigrada no meu próprio país (eu sou das ilhas, a viver no continente) já que as viagens são um balúrdio, levo comida congelada sempre no regresso. Assim, quando a saudade bate, tenho a comida da mamã para me consolar. É isso e o skype :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, o skype, o whatsapp, os telemóveis com internet... tudo isso são autênticos tesouros (=

      Eliminar
  11. Espero sinceramente que as coisas melhorem e jovens como tu possam regressar para as suas famílias. Eu pessoalmente não quero nada ir para fora também, mas se tiver mesmo muito de ser, farei o mesmo. Mas há que ter esperança no futuro. Força! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também espero! Os jovens como eu, muito provavelmente, já não voltam. Mas desejo melhor sorte aos jovens que virão a seguir, pode ser que para eles seja diferente

      Eliminar
  12. Até respiro fundo quando leio o teu texto.
    Tenho um genro no estrangeiro e tudo indica que a filha e netos irão também.
    Ele está muito bem e a minha filha tem todas as possibilidades de ficar também bem empregada.
    O nosso País está como está ....e, que remédio não irmos matando as saudades o melhor que pudermos
    Tudo de bom para ti.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nós devíamos saber bater mais o pé, mas não. Somos demasiado brandos enquanto povo. Falamos, falamos, falamos mas, chegada à hora da verdade, era só garganta. Ninguém luta, nada muda e a vida vai andando...

      Eliminar
  13. Melhores dias virão, estás a fazer pelo teu futuro, por ti.
    Imagino que custe muito, mas um dia compensará. :)
    Beijinho grande

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Custa, custa mesmo muito... mas não tenho outra hipótese, para já...

      Eliminar
  14. Como eu te compreendo! Quer dizer, no meu caso são "apenas" 300km (eu em Lisboa, minha cidade natal Santo Tirso - Porto) que me separam de toda a minha família, já há 6 anos. E de cada vez que vou lá custa sempre mais deixá-los por mais uma temporada. (Porque a vida nem sempre facilita a possibilidade de lá ir tão regularmente quanto gostaria...)

    Mas pensamento positivo sempre! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, pensamento positivo é super importante mas, às vezes, é difícil =P

      Eliminar
  15. Imagino que não seja nada fácil estar-se longe da família mas... não voltes. A sério. Não podias estar mais certa quando disseste que Portugal é um buraco sem fundo, é que é mesmo. Estando fora, calculo que tenhas um nível de vida superior àquele que provavelmente terias cá. Pergunto-me se algum dia este país será próspero.

    Ricardo, The Ghostly Walker.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também me pergunto o mesmo, sabes... mas gosto de acreditar que sim, que um dia vamos conseguir. Quanto a voltar... não está previsto. Mas queria poder fazê-lo, um dia.

      Eliminar
  16. Sei que é difícil... também tentei a minha sorte, mas por motivos de saúde tive de regressar. Força :)

    ResponderEliminar