quinta-feira, 30 de março de 2017

ACMA | Hobbies: o que tenho eu a dizer sobre isto?

Recentemente, decidi aderir a um projecto novo: o ACMA (A Cultura Mora Aqui). 




Não sabia muito bem no que consistia, mas é muito simples! Basicamente, todos os meses é lançado um tema sobre o qual temos que escrever um post.

Pois bem, o tema deste mês foi “hobbies”. Quando abri o e-mail, disse logo para mim mesma “Ó diabo, mas que raio é que eu posso dizer de interessante sobre isto?”.

Comecei por pensar no mais óbvio: os meus próprios hobbies mas, verdade seja dita, nenhum deles é merecedor de uma nota de rodapé, quanto mais dum post. As opções eram as seguintes:

1.       Ir ao ginásio – quem é que não vai?;
2.       ler – ó boa, mais do mesmo;
3.       viajar – não o faço com frequência suficiente para ser considerado um hobbie, é só uma actividade da qual gosto bastante.

E a lista continuava, comigo cada vez mais desmotivada e frustrada por ter uma vida tão desinteressante.

Fui ao dicionário, com esperança que a inspiração descesse em mim assim ao estilo de espírito santo, e o que encontrei foi:

 “Hobby: palavra inglesa/ substantivo masculino; actividade favorita que serve de derivativo às ocupações habituais. = passatempo.”

Mania que as pessoas têm de querer passar o tempo. O tempo vai passar, façamos nós o que fizermos. E passa demasiado depressa, se querem a minha opinião. Vivemos numa sociedade demasiado acelerada, demasiado preocupada, demasiado frenética.

Somos bombardeados com informação todo o dia, todos os dias e a pressão é imensa: deus nos livre que a criancinha não tenha 1001 actividades extra-curriculares, porque ai do pobre que não saiba dançar ballet e falar mandarim que, coitadinho, tem os pais preguiçosos e vai acabar a vida nas ruas da amargura. Nos dias que correm toda a gente sabe que ler Doistoiévski (em russo!) aos 8 anos é fulcral para o futuro sucesso na vida adulta.

Já adultos, a pressão não diminuiu: temos que ter carreiras satisfatórias, ir ao ginásio 5 vezes por semana, saber cozinhar pratos gourmet (versão fit, claro), ter a casa sempre a brilhar e as crianças sempre bem aprumadas (e ocupadas com actividades, obviamente). Isto tudo, com as unhas impecáveis, sem olheiras e com uma maquilhagem profissional que dure desde manhã até à noite.

Que as pessoas se dediquem de corpo e alma a coisas de que realmente gostem, faz todo o sentido para mim. Investir em algo que nos dá prazer, que nos realiza, que nos faz felizes só pode trazer coisas boas, certo? Mas para quê, qual é o objectivo de fazer o que quer que seja só para agradar aos outros? Para a sociedade dizer “sim senhora, ora aqui está alguém 5 estrelas e que sabe o que quer da vida!” ? Acham mesmo que vale a pena viver neste estado de hiperactividade constante que nos é imposto a troco de “parecer bem”?

Eu acho que não. Eu gosto de ser activa, de experimentar coisas novas, de mudar (esta deve ser a palavra que melhor define a minha vida, aliás). Mas também gosto (e muito) de parar. De fazer nada. Fazer nada devia ter estatuto de hobby, porque fazer nada é tão bom que até deu origem a uma expressão famosa: Dolce far niente. Os italianos é que a sabem toda, olhem para o que vos digo.


Posto isto, e em jeito de conclusão deste texto, que já vai longo, espero que tenham gostado de ler a minha abordagem à temática dos hobbies. Aproveito para deixar a dica de que qualquer blogger é livre de se juntar a este projecto e fica aqui o email, para quem estiver interessado: acma.cultura@gmail.com

16 comentários:

  1. Eu não vou ao ginásio, mas devia...

    Isabel Sá
    Brilhos da Moda

    ResponderEliminar
  2. "Eu gosto de ser activa, de experimentar coisas novas, de mudar (esta deve ser a palavra que melhor define a minha vida, aliás). Mas também gosto (e muito) de parar. De fazer nada."

    Podia ter sido escrito por mim :)
    Subscrevo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda bem que há mais pessoas como eu (=

      Eliminar
  3. Sou presença assidua no ginásio desde fevereiro e estou a adorar! x

    E. ♥ Meet me for Breakfast

    ResponderEliminar
  4. Adorei a abordagem que fizeste do tema - diferente, imprevisível, mas, sem dúvida alguma, espetacular! Gostei muito do post também! Bem vinda ao ACMA!

    Beijinho,
    Bia do Bookaholic.

    ResponderEliminar
  5. Eu considero a blogsfera um hobby meu :) porque me relaxa, adoro escrever e explorar os blogs!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha, bem visto! Mas como eu ando meia desligada do blog, nem me lembrei de o contar como hobby =P

      Eliminar
  6. Ai eu recentemente desisti do ginásio e olha, estou um peixe balão, mortinha por voltar :(

    ResponderEliminar
  7. O meu hobbie é escrever. Gostei muito da maneira como abordas-te o tema. Vou participar :

    ResponderEliminar
  8. Adorei a forma como abordaste o tema, até porque conheço de perto um caso desses de viver em hiperatividade. Os meus primos quando eram miúdos andavam elas no ballet, eles no rugby, todos nos escuteiros, na equitação e na música!

    ResponderEliminar
  9. excelente anti-post! :D

    agora a sério...gostei muito do teu "tom de conversa"

    ResponderEliminar