domingo, 18 de novembro de 2018

Viajar grávida

Desde que engravidei, fomos a Portugal 4 vezes, fomos à Sardenha e fomos a Nova Iorque. Por cada vez que ia entrar num avião, lá vinham meia dúzia de alminhas com o "mas não tens medo?" e eu pensava "medo de quê?". No primeiro e no segundo trimestre, sinceramente, não me fazia confusão nenhuma a ideia de viajar. E, quanto ao terceiro, obviamente fiz as coisas com consciência. 

Tenho sido acompanhada por profissionais de saúde desde o início. Aqui no UK as coisas são ligeiramente diferentes: como a minha gravidez é de baixo risco e, até agora, não houve complicação absolutamente nenhuma, estou a ser acompanhada por midwives e não por médicos. Pessoalmente, não tenho nada que dizer. Senti, no início, que estavam a facilitar um bocado, talvez por causa de eu também trabalhar na área da saúde, mas a verdade é que se eu tivesse alguma dúvida nunca saía das consultas sem resposta. 

Decidi escrever este post porque acho que há muita gente que ainda faz da gravidez um bicho maior do que o que isto é realmente. Claro que há casos e casos, há gravidezes muito complicadas e sei que, por muito que não esteja a adorar esta fase, tive imensa sorte. Não houve um valor dumas análises que não tenha sido normal, não engordei mais que o estritamente necessário (embora já seja o suficiente para me sentir enorme), não tive de deixar de trabalhar (ainda), enfim, não me posso queixar. 

Vou partilhar convosco o que aprendi nestes meses sobre viajar grávida porque pode ser que ajude alguém que esteja a pensar fazê-lo:

  1. A maioria das companhias aéreas vai deixar-vos entrar no avião até às 34-36 semanas. No entanto, a partir das 28, têm de ter o que eles chamam um "fit to fly certificate", que é um certificado passado pelo médico (no meu caso, pela midwife) em que dizem que vocês estão aptas para viajar de avião. A minha midwife explicou-me que aqui não passam esse certificado a partir das 34 semanas, não sei como será noutras zonas. Fomos a Portugal no fim-de-semana passado, já eu estava quase a chegar às 33 semanas e, curiosamente, ninguém me pediu para ver nada, deixaram-me simplesmente entrar no avião e lá fui eu. No entanto, caso fosse preciso, eu tinha o certificado para mostrar.
  2. Roupa confortável. Isto é essencial para viajar em qualquer momento da vida, digo eu, mas acreditem que a última coisa que querem é roupa a apertar-vos onde não deve. 
  3. Meias de compressão: a gravidez aumenta o risco de trombose, independentemente de irem andar de avião ou não, mas andar de avião vai aumentar ainda mais esse risco. Provavelmente, vão aconselhar-vos a usar estas meias durante os voos. 
  4. Beber muita água, evitar refeições pesadas e levantarem-se para esticar as pernas a cada duas horas. Se bem que, para mim, isto é válido para todos os dias e não apenas para viagens de avião.
  5. Isto não é propriamente um conselho, é mais uma informação, para que ninguém fique muito chocado: a prioridade para grávidas é coisa que só existe em Portugal. Bem, se a memória não me falha, acho que em França também. Mas, aqui no Reino Unido e nos Estados Unidos, esqueçam lá isso. Ficam na fila como os outros e ninguém se vai levantar de onde quer que seja para vos deixar sentar. Pessoalmente, não me incomodou porque sinto-me bem, mas acho que para algumas pessoas pode ser coisa que lhes faça confusão. Sendo assim, estão avisados. No regresso de Portugal para Londres foi a única vez em que me deixaram embarcar antes dos outros passageiros. Acredito que existam mais países onde seja dada prioridade a grávidas, mas no UK e EUA não é o caso.
Pronto, e era isto. Se alguém tiver alguma coisa a acrescentar ou a corrigir, a caixa de comentários está aí para isso.

Bom domingo!


26 comentários:

  1. Olha não sabia que na UK não davam prioridade às grávidas, acho que quando lá tive eu própria cedi umas quantas vezes. terei sido eu um ET? ahahahah! Ainda bem que está tudo a correr bem contigo! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. No metro em Londres algumas pessoas cedem o lugar a grávidas. Mas não há caixas prioritárias nem nada dessas coisas aqui =P

      Eliminar
  2. Por acaso nunca me tinha apercebido que a prioridade para grávidas é uma coisa nossa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não somos os únicos, mas a verdade é que há muitos países onde simplesmente não há prioridade

      Eliminar
  3. Sou adepta do simplificar e descomplicar em tudo na vida, desde que em consciência claro.
    Quanto à prioridade para grávidas publiquei um post sobre umas situações que me aconteceram na altura da gravidez no meu bloghttps://osmeusdesabafosdodiaadia.blogspot.com/2015/07/prioridade-para-gravidas.html
    se quiseres espreitar vais-te rir provavelmente :-)
    Bjs e boa continuação!!

    ResponderEliminar
  4. Desmistificar é mesmo importante! E sinto que acabaste de o fazer com esta publicação :)
    Não sabia que a prioridade não era aplicada no UK e EUA

    ResponderEliminar
  5. Desejo-te as maiores felicidades :) Beijinhos*

    ResponderEliminar
  6. Uma gravidez feliz.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  7. Olá,

    Vim espreitar o blog pela primeira vez, e gostei muito!

    É mesmo bom desmistificar alguns mitos...

    Beijinhos e muitas felicidades (uma hora pequenina!)
    Margarida
    https://minhacasadopatio.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  8. Gravidez não é doença e se a parturiente não tiver algum problema só tem que fazer a vida normal tendo os seus cuidados obviamente.
    Continue tudo a correr bem
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  9. E fizeste tu muito bem m viajar. Gravidez não é doença desde que não haja nenhum problema com a mamã eo bebé.
    Eu tive uma gravidez de risco, logo tive de ter cuidados... mas nada que não tivesse ultrapassado. Estas dicas para futuras mamãs são importantes.

    PadaandLuda * Página

    ResponderEliminar
  10. Por acaso nunca reparei nas prioridades (ou falta delas) para grávidas aqui. O que reparei é que há lugares de estacionamento para grávidas na empresa onde trabalho! Ainda bem que está tudo bem encaminhado! Que continue assim, beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nunca vi aqui lugares de estacionamento para grávidas, só para famílias! E estou ansiosa por começar a usá-los, porque vai ser sinal de que a minha menina já está cá fora (=

      Eliminar
  11. Informações a registar para mais tarde quem sabe. Entendo bem que lá fora não haja essa prioridade, afinal, na minha óptica a prioridade tem de ser um dado adquirido pela sociedade, não deveria ser preciso leis ou placas afixadas para que nós amavelmente cedamos o nosso lugar :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente há muita coisa que só com imposições se conseguem e não deveria ser assim. No meu caso, passo bem sem ser prioritária, mas há gravidezes muito mais complicadas que a minha e muita gente que deve passar mal a ir de pé nos transportes públicos ou a ficar à espera em filas

      Eliminar
  12. Não fazia mesmo ideia dessas coisas todas que mencionaste, mas gostei de saber :D

    ResponderEliminar
  13. Nunca se sabe quando estas informações serão necessárias. Muitas vezes é só preciso saberem informar para não começarem a entrar em pânico ou fazerem comentários maldosos desinformados.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Comentários parvos só tive de ouvir em relação ao tamanho da barriga, ora que estava demasiado grande, ora que mal se notava, enfim =P

      Eliminar